logomarca

Pedido de Oração

Downloads

Boletins

Acompanhe-nos

Visitantes


Você é o visitante número 3512 .

 


  • Você está em:
  • Página inicial »
  • »
  • Outubro 2017/500 anos da Reforma Protestante

Outubro 2017/500 anos da Reforma Protestante

imprimir tamanho da letra: A- normal A+

Depois que Cristo ascende aos céus a Igreja Cristã passa a ser estabelecida na terra através dos Apóstolos. Mesmo perseguida pelo Império Romano por difundir o pensamento Cristão, a Igreja cresce de forma espantosa. Entre os muitos novos adeptos ao Cristianismo, está o Imperador Constantino Magno, primeiro Imperador a professar a fé cristã. Nesse novo contexto, a Igreja deixa de ser perseguida e passa a receber alguns benefícios que não recebia. A aliança entre fé e  estado trouxe sérios problemas para o andamento da Igreja. No terceiro século, a Igreja adentrava em um período de distanciamento dos ensinamentos de Cristo e mergulhava em uma crise religiosa, ética e moral por mais de mil anos. Em 31 de outubro de 1517, tem início o movimento chamado Reforma Protestante, através do monge Martinho Lutero, que discordava da forma corrupta com que a Igreja, agora Romana, difundir seus ensinamentos. Outros Reformadores como João Calvino, Ulrico Zuínglio e pré-reformadores como John Wycliffe, John Huss, Jerônimo Savonarola entre outros movimentos, contribuíram de forma excepcional para a grande Reforma da Igreja. Neste contexto, a mensagem deste informativo está baseada no ensino bíblicos dos reformadores.

1ª semana - Sola Fide (Somente a Fé) Sola Gratia (Somente a Graça) A expressão em Latim “sola fide” refere-se ao aspecto de que a justificação do homem não esta ligada a merecimento humano, mas pela fé em Cristo (Rm 1.17). “Sola gratia” nos fala de um favor imerecido de Deus aos homens (Ef 2.8-9). Assim, a fé se torna um meio pelo qual alcançamos a graça de Deus. Ainda que nossas boas obras sejam fundamentais como frutos de uma nova vida em Cristo, ela não é determinante para que o ser humano tenha salvação, este mérito esta na pessoa de Jesus, através de seu sacrifício na cruz. No período em que a Igreja se distanciou dos ensinamentos de Cristo e dos Apóstolos, havia uma prática comum de venda de indulgências, ou seja, podia se comprar a salvação “um terreno nos céus” por meio de contribuições financeiras, segundo esse falso ensinamento a compra de indulgência dava o direito a remissão de pecados até mesmo dos futuros e o direito de salvação mesmo para aqueles que já haviam morrido. Essa prática é considerada uma grande heresia, pois nenhum valor poderá comprar a salvação da alma, nem tão pouco remir pecados futuros ou mesmo tirar almas do purgatório, nossas ofertas a Deus, são uma das formas de demonstrarmos nossa gratidão a Ele. Algumas pessoas também se enganam ao pensar que não precisam confessar a Jesus porque praticam boas obras. Por meio das Escrituras entendemos que a fé sem obras é morta, mas que as obras sem a fé em Cristo também não possuem valor algum. Não são penitências, sacrifícios, boas obras ou compra de indulgências que livrarão o homem da condenação eterna, mas a justificação pela fé em Cristo, por meio da Graça de Deus estendida aos homens (At 4.12). Aos líderes: Pedimos que façam um momento de apelo e confissão para que as pessoas que ainda não receberam a Cristo como Senhor tenham a oportunidade de fazê-lo.

2ª semana - Sola Scriptura (Somente a Escritura)  Para os Reformadores e para todos aqueles que acreditam na veracidade e na inspiração das Escrituras Sagradas, a Bíblia através do Espírito se torna a revelação de Deus aos homens, desta forma todos podem e devem ter acesso e nenhum outro escrito deve se sobrepor a ela (2 Tm 3.16-17). Depois que a Igreja tornou-se Romana, por vários séculos poucas pessoas entre elas os bispos tinham permissão para a leitura e a interpretação das Escrituras, somente alguns autorizados poderiam compartilha-la por meio de seus sermões. Entretanto, a Igreja do primeiro século entendia que as escrituras poderiam ser lidas e compartilhadas com todos, inclusive anunciada por todos aqueles que recebiam a Cristo como Senhor (Jo 14.23-26), (At 1.8). Por isso, ela foi traduzida pelos Reformadores para vários idiomas, entre eles o alemão, o inglês, o francês até chegar ao nosso idioma. Hoje temos acesso à leitura das Escrituras. Essa deve ser uma prática diária de todo aquele que professa ser cristão. É por meio dela que compreendemos o grande amor de Deus ao homem e seu propósito. É por ela que somos transformados. 

Desafio: Comece a leitura diária de um livro da Bíblia que lhe chame a atenção (mesmo que já tenha lido, o exercício da leitura diária é muito edificante e disciplinante). Compartilhe no final do mês na célula a experiência de como Deus se revelou a você através da leitura da Bíblia.   
 
3ª semana - Solus Christus (Somente Cristo) Entende-se por meio das Escrituras que somente Cristo é o único mediador entre Deus e a humanidade, nenhuma outra pessoa por mais notável que tenha sido sua trajetória cristã tem acesso direto a Deus (1Tm 2.5-6). Desta forma, por meio do sacrifício de Cristo chegamos ao Pai, nossas orações por meio de Jesus podem ser feitas diretamente a Deus em nome de Jesus Cristo. Também no aspecto de confissão de pecados, não precisamos de mediador para confessar nossas faltas, pois temos acesso a Deus para pedir perdão dos nossos pecados (1Jo 1.7-10). Do mesmo modo, que temos acesso a Ele para perdão dos nossos pecados, terá acesso ao homem para que ele reconheça e seja convencido do pecado da justiça e do juízo (Jo 16.7-11). Assim, segundo as Escrituras Sagradas, os santos homens de Deus merecem nosso respeito e admiração, mas carecem da mesma necessidade de redenção por meio de Cristo como todos nós, com isso o Apóstolo Pedro, Apóstolo Paulo, Maria mãe de Jesus, Lutero, Calvino e todos os outros homens necessitam de Cristo, o Filho de Deus, para a salvação da própria alma.
 
4ª semana - Soli Deo Gloria (Somente a Deus a Glória) Essa expressão “Somente a Deus a Glória” nos fala da importância de render louvor e adoração somente a Deus, a nenhum homem a glória, pois não somos merecedores (Is.43.7). Por séculos as pessoas foram induzidas a venerar homens por seus títulos, ainda hoje isso acontece, contudo essa prática herética não esta de acordo com os ensinamentos das Escrituras. Somente a Deus toda a Glória, no mesmo período os líderes da Igreja se mostraram tão corruptos demonstrando que não mereciam nem mesmo a admiração quanto mais uma veneração. Nossa condição humana é frágil e falha. Não temos atributos que nos permitam tal autodenominação de honra e adoração (Jr 9.23-24). Deus, sim, tem todos os atributos para ser adorado e reverenciado, Ele é bom, tem todo o poder nos céus e na terra, esta em todos os lugares ao mesmo tempo por meio de seu Espírito, sabe de todas as coisas, conhece os segredos do coração humano e penetra nos lugares mais íntimos da alma. Diante de todos os atributos de Deus entendemos porque Ele é divino e Sagrado e merece toda a honra e glória.
*Os anjos rejeitaram a adoração e declararam que ela deveria ser designada somente a Deus (Ap 22.8-9).
*Os Apóstolos Paulo e Barnabé recusaram ser adorados, como manifesto por tal atitude do povo rasgaram suas vestes (At 14.8-15).
“O cristianismo é a doutrina, não da língua, mas da vida, uma doutrina que não é aprendida apenas pelo intelecto e pela memória como as outras ciências, mas que só é revelada quando domina toda a alma e encontra sua sede e morada nos rincões mais íntimos do coração”. João Calvino, As Institutas, Genebra, ed. Final, 1559 (iii.6.4).
Deixe seu comentário
Sem comentários cadastrados.

Parceiros

Projeto Nações em Ação Central de Células