logomarca

Pedido de Oração

Downloads

Boletins

Acompanhe-nos

Visitantes


Você é o visitante número 3847 .

 


Junho 2016/Berakah

imprimir tamanho da letra: A- normal A+

Contexto: Neste período Judá era governado pelo rei Josafá, homem temente a Deus, honesto e que procurava o conselho do Senhor. Ele reinou 25 anos em Jerusalém e, durante seu reinado, os moabitas, os amonitas e os meunitas se reuniram para lutar contra Josafá.  Após a informação um enorme exército se aproximava para atacá-lo, Josafá toma as seguintes decisões. Contexto: Neste período Judá era governado pelo rei Josafá, homem temente a Deus, honesto e que procurava o conselho do Senhor. Ele reinou 25 anos em Jerusalém e, durante seu reinado, os moabitas, os amonitas e os meunitas se reuniram para lutar contra Josafá.  Após a informação um enorme exército se aproximava para atacá-lo, Josafá toma as seguintes decisões. 

1º semana: Luta com o seu próprio medo e busca a Deus (II Cr 20.3). O medo é um estado de alerta ativado diante de uma situação de perigo. Ele é importante para que possamos nos defender de situações adversas, porém, aqueles que não conseguem lidar com este sentimento correm o risco de paralisar suas ações e não atravessar as dificuldades. As más notícias geralmente nos causam medo, incertezas e angústias. Foi essa sensação de pavor que tomou conta do rei Josafá, quando recebeu a notícia de que seria atacado por um grande exército, ou melhor, por três exércitos. Qualquer um de nós diante de tal informação ficaria aterrorizado, porém, atitude do rei foi coerente: apesar do medo, correu para a presença de Deus. Alguns diante das dificuldades, paralisam, outros brigam, e ainda outros fogem. A presença de Deus sempre será o lugar que irá nos acalmar e nos dará ânimo para seguir. 
 
2º semana: Não age sozinho, mas reúne o povo para buscar a Deus e o conselho dos profetas de Deus (II Cr 20.13-20). Sempre que agimos sozinho ou buscamos o conselho de pessoas que não são qualificadas para fornecer uma boa orientação, tomamos as piores decisões. Não podemos nos isolar! Precisamos do conselho e da ajuda uns dos outros. (alguns jovens não gostam de conselhos e alguns idosos acham que não precisam mais de conselhos). É importante que as famílias compartilhem suas preocupações e necessidades, que os amigos estreitem os laços no período das dificuldades e que os discípulos compartilhem com seus líderes, suas alegrias e seus desapontamentos. Perceba se aquele que você elegeu para ser seu apoio é uma pessoa que tem um bom testemunho (bons frutos), não fala mal de outras pessoas pra você, não vive mexericando na vida alheia, não possui inveja ou ciúmes e outros maus atributos. Precisamos compartilhar nossa vida com pessoas que tenham algo a nos oferecer. Nunca permita que alguém que não conhece e anda com Deus opine sobre sua vida. Muitas vezes procuramos pessoas erradas para compartilhar nossas lutas ou mesmos nossos sonhos. Tomar orientação com pessoas erradas é firmar alianças demoníacas, e os resultados são devastadores. “Cuidemos para que nossos confidentes sejam dignos de nossa confiança”.  (I Rs 12.7-11)   
 
3º semana: Ordena adoração a Deus diante da batalha (II Cr 20.21-22). Não compreendemos a importância do louvor a Deus. Pensamos que as palavras que entoamos são simplesmente para cumprir um rito do culto, para alegrar nossa alma nos momentos de celebração ou consolar nos dias tristes. O louvor é bem mais que tudo isso, sua essência está no trono de Deus. É importante saber que alcançamos muito mais quando adoramos do que quando clamamos. A adoração fala do nosso amor, respeito, confiança e honra a Deus. “Tendo eles começado a cantar e dar louvores a Deus, pôs o Senhor emboscadas contra os filhos de Amom, Moabe e os do monte Seir...” Nossa adoração desfaz as armadilhas que os nossos inimigos preparam. Satanás e seus demônios não suportam o louvor e a adoração ao Eterno. Nosso louvor quebra as correntes mais difíceis e estabelece a liberdade de toda a opressão. Os adoradores não vivem sobre as cadeias da opressão. Esta função nos céus era de Lúcifer (Satanás). Seu posto foi perdido pela ganância e corrupção. Hoje esse posto é nosso! Dois seres não podem ocupar o mesmo lugar. Portanto, assuma seu lugar e seja livre!
 
4º semana: Recebe a vitória, honra e paz do Senhor (II Cr 24-30). Será que estamos prontos para receber o que está preparado? Estamos prontos para ver o que o Senhor nos reservou? “-Hei, abram os olhos”! Esta foi a expressão de Josafá. Do alto ele procurou o grande exército, entretanto o que se vê são corpos estendidos ao chão, três exércitos derrotados. Quanto mais se levantam contra nós, maior será a extensão de nossa vitória. Não bastasse todos os três exércitos derrotados, havia ainda muitos despojos a serem carregados: riquezas em abundância e objetos preciosos. Notemos que Israel levou três dias para carregar tudo o que o Senhor conquistou para eles - um dia para cada exército. Portanto, a vitória contra o inimigo é só o começo do que está reservado.      
 
Reflexão aos Líderes: Líderes podem ensinar sobre responsabilidade, compartilhar sobre ela, mas nunca podem delegar sua própria responsabilidade. A responsabilidade sempre será do líder. Josafá enfrentou as mesmas opções que nós enfrentamos diante dos nossos oponentes, desistir, retroceder, dar desculpas ou posicionar-se. Contudo, sua atitude demonstrou suas qualificações, e sua grande liderança. Não desista, posicione-se!   
 
Deixe seu comentário
Sem comentários cadastrados.

Parceiros

Projeto Nações em Ação Central de Células Blog Pastora Luisa Rede Cristã de Empreendedores